Não tenha medo de mudar

E sem nada de nos avisar meu marido anunciou sorridente: “Vamos nos mudar!”
As pessoas mudam por razões distintas. Mas, no geral, elas mudam se são obrigadas a mudar ou elas mudam quando não estão felizes no lugar onde moram. Tenho um amigo, músico e professor de espanhol, que deixou a Venezuela, seu país de nascimento, porque a vida no lugar onde vivia estava improdutiva e difícil. Ou seja, mudou para ter uma vida melhor, para manter a dignidade, para alcançar a felicidade.
Quanto a mim, eu não estava feliz na cidade onde eu vivia: poluição, rotina acelerada, violência urbana assombrosa. Queria mudar. Contudo, sem me dar conta, ofereci resistência. Talvez por receio/comodismo, simplesmente me pus a confabular sobre caixas, busca aborrecida por um imóvel e, ainda, a dificuldade que seria integrar-me novamente à escola, à feira, ao mercado, ao parque, à vizinhança… Anos atrás, minha mãe já tinha advertido: “para mudar é preciso desvencilhar-se do nosso apego ao passado.”
E o mesmo vale para o nosso cotidiano. Tudo o que existe está em fluxo constante. As mudanças acontecem conosco e também em nosso ambiente. Por isso, aderir às mudanças implica, na verdade, investir atenção no novo, encontrar esperança no desconhecido.
Eu mal me lembro do dia da mudança. E nos mudamos para uma cidade do interior onde a maioria dos moradores trabalha nos pastos, nas lavouras, e não hesita na hora de sujar as mãos de terra. Rosas e orquídeas decoram as casas fazendo-nos experimentar a efemeridade da vida. A beleza da aparição das abelhas é graciosa por si só.
Não existe nenhuma certeza nas promessas que fazemos a nós mesmos. Gostemos ou não, a vida é dinâmica e, por isso, mudar tanto envolve desapego como reivindica coragem. Coragem significa atuar com o coração, pondo-se em movimento com todo amor e disposição, independente do resultado.
E assim como a felicidade pode ser encontrada naquilo que não tem nada de extraordinário – flores que desabrocham no caminho, um singelo café com um amigo –, em vez de lamentar o que muda, uma mente flexível aceita a mudança, procura adaptar-se e encontrar beleza no novo. Não há nada a temer.
Cariños, Eugênia Pickina

Todo mundo gostaria de se mudar para um lugar mágico. Mas são poucos os que têm coragem de tentar. Rubem Alves

Notinha
A resistência à mudança é a força que nos faz permanecer na zona de conforto, porque mudar implica desarranjar nosso cotidiano, encarar desafios, reinventar objetivos. Imagine que você foi realocado para outra cidade por razões de trabalho. De início a ideia de recomeçar a vida em um ambiente novo pode parecer assustadora, mas, de outra parte, é um modo de permitir que coisas novas aconteçam e com isso haja percepção de novos talentos, por exemplo. Stephen Hawking, o físico e cosmólogo britânico, afirmou que a “inteligência é a capacidade de se adaptar à mudança”. Então, na hora de mudar, encare o novo, o inesperado, como uma rica oportunidade. Às vezes está em suas mãos ressignificar a sua existência.
Imagem: Yuval Levy/Unsplash