Cada um de nós pode contribuir com a saúde do planeta

Muitas pessoas estão diariamente a ajudar o planeta. E o fazem de maneira singela, mas movidos de atenção e tenacidade para colaborar com a Natureza.

Dona Elisa Weiss tem 67 anos. Mora em uma cidade no interior de São Paulo. Além da casa e da profissão, dedica parte de seu tempo à horta comunitária de seu bairro. Por entender que nossa saúde depende também do modo como nos alimentamos, salienta que o alimento cotidiano tem ação direta no nosso humor e  resiliência.

Seu João da Silva tem 45 anos. Casado, vive em Campo Largo, no Paraná. Conta que desde meninozinho sabe que a presença das árvores é vital para a felicidade das pessoas. Por isso, continuamente está plantando árvores pelas redondezas, decidido a fazer com seriedade a sua parte em relação à preservação ambiental.

Marcela Perez, 25 anos, estuda pedagogia em Várzea Grande, uma cidade no Mato Grosso. É profundamente comprometida com a educação ambiental. Alerta que é essencial os pais ensinarem aos filhos, e desde a infância, o respeito pelo meio ambiente e, por isso, reitera a necessidade de as crianças crescerem em contato com a natureza…

Do ponto de vista da Ecologia, há uma pessoa que me marcou bastante. Seu Emílio Vedoato, um alegre italiano que conheci na minha infância. Muito antes do conceito do  Lixo Zero, ele se preocupava com a questão dos resíduos e dizia que o futuro do planeta dependia de uma séria reflexão sobre nossas atitudes cotidianas em relação ao lixo que produzimos. Afirmava que uma pessoa educada, portanto ecologicamente responsável, é aquela que procura gerar o mínimo possível de lixo…  Esse engenheiro florestal, falecido há poucos anos, abominava a obsolescência programada, e que nos força a consumir modelos de produtos similares e em pequenos intervalos de tempo…

Apesar das diferenças, mais e mais pessoas estão decididas a lutar pelo bem-estar do planeta. E essa opção, aplicada ao cotidiano, tem um efeito multiplicador impressionante… Nada utópico, nada heroico ou extravagante. Dia a dia, são pessoas normais que conscientemente põem em prática as regras do cuidado com a Natureza. Vão de bicicleta para o trabalho, recusam o plástico, não lavam calçadas, preferem alimentos orgânicos, plantam árvores, evitam o desperdício, estão atentos às políticas climáticas….

Pelo futuro comum, de uma maneira ou de outra, cabe a cada um de nós encontrar a forma mais feliz de dar saúde ao planeta e fazê-lo com coragem e determinação.
Carinõs, Eugenia Pickina

A natureza nos toca de maneiras desconhecidas. Avijeet Das

Notinha
O Lixo Zero é um conceito de vida, no qual o indivíduo passa a refletir a fim de se tornar consciente dos caminhos e das finalidades de seus resíduos antes de descartá-los. A organização da sociedade civil autônoma Instituto Lixo Zero Brasil representa no país a Zero Waste International Alliance – movimento internacional de instituições que desenvolvem os princípios do Lixo Zero no mundo. Em conformidade com a entidade, o conceito pode ser entendido como uma meta ética, econômica, eficiente e visionária para orientar as pessoas a mudarem suas práticas de vida de maneira a estimular os ciclos naturais sustentáveis, onde todos os materiais são projetados para permitir sua recuperação e uso pós-consumo. Além disso, segundo a organização, quatro ações precisam ser colocadas em práticas para o fomento da política do Lixo Zero: repensar, reutilizar, reduzir e reciclar.
Imagem: J.Rowland/Unsplash