Dente de leão, flor alvissareira

Que flor é aquela que Arabela molha? É uma flor amarela. Cecília Meireles

Flor amarela festiva, o dente-de-leão é uma planta originária do continente europeu, que ganhou popularidade através dos séculos e, hoje, no Brasil e no mundo, é bastante apreciada nos jardins e nas cozinhas.

São muitos os mitos e as lendas que relatam a origem do dente-de-leão; histórias que englobam a razão de seus benefícios variados para o corpo e os ecossistemas.  A lenda grega informa que Teseu se alimentou somente das folhas amargas do dente-de-leão durante  30 dias para vencer o Minotauro.  Uma antiga história irlandesa relata que quando a Terra era habitada por fadas, essas criaturas viviam livremente na natureza. Com a chegada do ser humano, para sobreviver, as fadas foram forçadas a se refugiar na floresta, mas, para garantir a paz, acabaram se transformando em delicados dentes-de-leão.

Na Era Vitoriana, em meados do século XIX, quando os jardins passaram a realçar o significado das flores, o dente-de-leão se tornou um símbolo de boas-vindas, pois é flor auspiciosa. Associada à Maria e ao Cristo, não é à toa que a flor é favorita dos místicos. Além disso, segundo a sabedoria popular, o dente-de-leão é muito eficaz contra a raiva, que, desmedida, arruína o fígado.

Resistente, o dente-de-leão cresce nos cinco continentes. Fonte nutritiva para as abelhas, é uma planta ornamental em jardins devido ao amarelo reluzente de suas flores.

Reconhecida pela FAO como uma fonte rica de alimento, a planta é totalmente comestível – raízes, caules, folhas e flores. As corolas amarelas são o rico ingrediente de geleias e de um mel aromático. Para quem gosta do sabor amargo, é possível experimentar a planta como salada, suco verde e chá.

Meu avô, descendente de italiano, chamava o dente-de-leão de “soffione” – “grande sopro”. Quem nunca se alegrou soprando um pompom translúcido, um achado inesperado no caminho, e lançando fervoroso ao vento um desejo?

Planta sob o domínio do sol, o que mais me encanta no dente-de-leão é o que a própria flor simboliza – desprendimento. Sem esquecer que os desprendimentos estão associados a recomeços, no Nordeste do Brasil, o dente-de-leão é conhecido por “esperança”: “abre a janela e deixa a esperança entrar na sua casa trazida pelo vento da tarde.”
Cariños, Eugenia Pickina

Notinhas
O nome “dente-de-leão” é oriundo do francês  “dent de lion“ >“dandellion” – e recebeu esse nome em alusão à forma denteada de suas folhas. A nomenclatura botânica oficial é “Taraxacum officinale”, descrita no ano de 1780 por F. Heinrich Wiggers, um médico e botânico de nacionalidade alemã, que publicou sua investigação no livro “Primitiae Floral Holsaticae”, “Primeiros Frutos de Flores”.
“Taraxacum” é  uma palavra latinizada que deriva do árabe-persa “taljchakuk”, que significa “erva amarga”, oriunda da palavra grega “taraxos”, que significa “mal ou enfermidade”, e “akon”, “remédio ou medicamento”. Por sua vez, “officinale” é um epíteto latino que significa “de venda em herbários”, palavra que mais tarde se converteu em “farmácia”.
Salvador Dalí em 1947 pintou o dente-de-leão em um quadro que ficou famoso: Batalha sobre um dente-de-leão.