Sustentar a paz com atenção

Todos sabemos que usar palavras ofensivas não resolve nada e apenas gera tempestade de emoções e infelicidade. O cuidado no falar nos ajuda a desenvolver a habilidade de nos comunicar de modo gentil e não-violento, evitando dizer ou fazer algo de que poderíamos nos arrepender mais tarde.
Todos nós temos valores, ideias, convicções. No entanto, para fortalecer uma opção consciente pela paz, precisamos nos relacionar com o outro de maneira atenta e cuidadosa. Por exemplo, no dia a dia, quando escutamos alguém com todo nosso coração, passamos a enxergá-lo mais profundamente e com isso nos damos a oportunidade de lhe oferecer nossa presença com bondade e respeito.
A melhor forma de influenciar favoravelmente o ambiente é orientar-se pelo esforço persistente de ser  gentil e compassivo consigo mesmo e com os demais, pois assim poderá vir à tona aquilo que existe de melhor em nós – amor, bondade, alegria, gratidão, persistência, coragem, empatia, entusiasmo.
Quer gostemos ou não, Marshall Rosenberg adverte que “o mundo em que vivemos é aquilo que fazemos dele”. Por isso, o sentido da vida se revela também no modo como nos relacionamos com os outros. Ou seja, se temos um bom relacionamento com as pessoas – familiares, amigos, colegas – provavelmente nos sentimos seguros e adequados. Assim como uma palavra de incentivo pode mudar o dia de alguém, em um momento difícil, ser o sol do outro pode  fazer toda diferença.
A paz não pode ser garantida apenas pelos acordos políticos ou diplomáticos. Ela depende do comprometimento sincero e sustentado das pessoas. Cada um de nós, portanto, e a independer da idade, é chamado à criação de um mundo pacificado.
Notas de viagem, Eugênia Pickina

Notinha
O monge zen-budista Haemin Sunim nos sugere uma via de harmonia quando diz: “o importante não é ter razão; é sermos felizes juntos.” A Comunicação Não-Violenta (CNV) é um processo conhecido por sua capacidade de inspirar ação compassiva e solidária. Fundada pelo psicólogo Marshall Rosenberg, a CNV está sendo utilizada no mundo por um número crescente de pessoas que desejam intervir e agir com meios práticos e eficazes em favor da paz.
Muitos conflitos da vida podem ser resolvidos de modo pacífico se estruturamos o hábito de tentar enxergar as coisas sob outro ponto de vista além do nosso. Se eu, por exemplo, só considero meu lado, não ajo diferente de uma criança. Uma conversa difícil? Prefira ouvir a falar. Em casa, na vida pública, nas redes sociais, reflita antes de disparar uma mensagem que fira o outro. Reações emocionais instantâneas costumam criar resultados lamentáveis.